domingo, 3 de maio de 2009

Para a Minha Mãe

Propositadamente reservei o meu primeiro post do mês de Maio para este dia: o dia da mãe.
Nos últimos dias tenho escutado vezes sem conta a música de apresentação do projecto Amália Hoje, liderado por Nuno Gonçalves dos The Gifth, que tive a honra de ter sido dos primeiros a descobrir há uns bons anos atrás esquecido e incógnito nas prateleiras de Fnac. A música de apresentação daquele CD tem sido a canção Gaivota, e nela encontrei as palavras para a minha mãe hoje, que são palavras de Alexandre O´Neill. O refrão diz a certa altura:

Que perfeito coração
Morreria no meu peito
Meu amor na tua mão
Nessa mão onde perfeito
Bateu meu coração

Neste dia percebo repetidamente aquilo que intuo todos os dias: nunca o meu coração bateu realmente bem senão quando o seu ritmo batia ao ritmo do da minha mãe, no seu seio. Nunca o meu coração bateu tão perfeitamente como quando todo eu cabia, com ele, no regaço da minha mãe. Nunca o meu coração foi tão perfeito quando ele cabia na mão que me pegava e me levava cuidadosa e seguramente. Oh meu Deus nunca mais me senti assim seguro. Nunca mais me senti assim amado. E como tremo quando percebo que tanto fiz e faço sofrer aquele perfeito coração. Para a minha mãe vai um amor muito incompleto e incapaz, mas não sei amar melhor e não tenho o poder de fazer o tempo andar para trás.
Aí está a música que me ajudou a escrever tudo o que vai neste imperfeito coração:
Gaivota

1 comentário:

nuno_mkt disse...

Mas que Mãe é essa?

São poucos os que te compreendem, são poucos os que sentem e partilham as tuas palavras, são poucos os felizardos de terem uma Mãe assim.

Mas que Mãe!

"Ser Mãe é assumir de Deus o dom da criação, da doação e do amor incondicional. É encarnar a divindade na Terra"