quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

2009


Não me lembro de iniciarmos um novo ano com tão poucas expectativas positivas sobre o futuro. Existe uma crise de confiança: não acreditamos que os políticos se preocupem com os menos poderosos; não confiamos nas instituições (políticas, económicas, religiosas); os bancos não confiam uns nos outros para emprestar dinheiro nem nós neles para o gerirem conscienciosamente; enfim, não confiamos na evolução da história e que com ela venha o progresso, a igualdade, a paz, a vida com qualidade.
Sem confiança o que é que poderemos fazer? Nada. As relações não são possíveis, o desenvolvimento integral não acontece, a vida não é doada e não nasce, o amor é uma miragem.
Que resposta temos nós os cristãos para este tão entranhado sentimento? Que atitude apresentamos nós ao mundo descrente, sem esperança e temente do amanhã?
Como sempre temos a Palavra que nos inspira e fortalece: “deram-lhe (ao menino de Belém) o nome de Jesus” que quer dizer Deus salva. E isso é o que temos a dar ao mundo de hoje. Deus não é um problema, não é mais uma preocupação a juntar às muitas da vida quotidiana, Deus é a base de onde partimos para um novo ano. Isto é, Ele já nos salvou, Ele é por nós e está connosco, Ele é a garantia que estamos salvos a seus olhos e, por isso, iniciamos 2009 com a certeza mais fundamental e encorajadora: não estamos perdidos no meio dos problemas e das angústias legítimas dos dias que temos mas encaramos os seus dramas e dores com a certeza de que O sentimos a nosso lado não a vigiar as nossas acções mas a inspirá-las, não a censurar as nossas palavras mas a fazer que elas edifiquem, não à espera de uma recaída mas a estender-nos a mão para nos levantar.
Que a alegria profunda e seguradora de nos sentirmos salvos nos empurre a arrancar da amargura quem nela cresce, a amar quem nunca se sentiu amado, a mostrar como se pode viver diferente, a partilhar o pouco que se tem com quem muito perdeu.
Que 2009 nos realize.

3 comentários:

Grupo de Jovens disse...

Quando tudo parece querer desmoronar, importa descobrir a aposta no que permanece...apesar de toda a falta de esperança, fazer esta escolha é uma confiança que não trai... é dizer sim a um projecto renovado, pelo qual vale a pena viver!
Bom Ano 2009

nuno_mkt disse...

Penso que não existe dúvidas para ninguém, que as expectativas que se criam são fruto das atitudes do Homem.
Será que devemos confiar? Em quem e em que momentos? É certo que sem confiança nada existe, nada acontece e em nada se crê, mas os dias de hoje convidam-nos a tomar essa atitude (o caminho mais fácil).
Peço desculpa por não escrever nada de novo, diferente e animador, mas é para isso que cá venho ao blogge, sou o lado frio, racional, a imagem de uma sociedade que precisa de reencontrar o caminho certo.
Caminharei aqui contigo, para crescer e ganhar sangue novo (desculpa mas neste momento nada tenho para dar).

Maria disse...

Procuro muitas vezes saber o sentido que dá, em cada domingo que passa, transpondo o assunto de cada eucaristia para os dias de hoje. Assim, podemos dizer que as passagens da Biblia, estão sempre presentes no nosso dia-a-dia, não é coisa do passado. Sempre o fez de um modo muito próprio. Vou continuar... e espero que esteja sempre desse lado. Bom ano 2009.