quinta-feira, 11 de março de 2010

Um Mês Depois

Faz hoje um mês que escrevi o meu último post neste espaço. Tinha acabado de ser pai há cerca de dez horas. Tudo aconteceu antes do tempo previsto, com inabitual rapidez e numa profunda serenidade confiante n'Aquele em quem coloco tudo e de quem tento tudo aceitar.
Quando há pouco menos de cinco anos decidi dar um rumo novo aos meus dias tinha em mente uma irreprimível vontade de pobreza e no coração um latejante sentimento em amar gratuita e desinteressadamente. O passo racional e crente em ter um filho foi a consequência lógica de uma vida que quero de entrega.
Tenho tentado entrar no novo ritmo imposto pela minha filha que se juntou a tudo o que já tinha, mas, por incrível que pareça, estando mais cansado, ensonado e ocupado, estou também mais reforçado e motivado nas minhas opções. Não, ela não é a motivação que me faltava nem a realização que não tinha. Não procuro nela a minha felicidade nem o sentido da minha vida, mas "apenas" a radicalidade do amor que é paciente, prestável, que não é invejoso, não é arrogante nem orgulhoso, que nada faz de inconveniente, não procura o seu próprio interesse, que não se irrita nem guarda ressentimento. Que não se alegra com a injustiça, mas rejubila com a verdade. Que tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.(Cf 1Cor 13, 4-7)
Nunca o amor foi tão real na minha vida. Nunca entendi tão bem a sua doçura e o seu sacrifício.
Hoje, nas laudes, os alunos cantaram este cântico. Assim louvo todos os dias o meu Deus.

10 comentários:

diaconado permanente disse...

Parabéns. Com um grande abraço e a bênção de Deus para a pequenina,
Joaquim

EVA SILVA & SOFIA COELHO disse...

parabens papa babado que Deus esteija sempre com voçês muitos beijinhos desta amiga de refojos

Maria disse...

Parabéns. Fiquei surpreendida e ao mesmo tempo muito contente,ao ler o post imagino a sua enorme felicidade.Que Deus proteja a vossa pequenina.

Maria Antónia

Simbolos disse...

bem legal

Salete disse...

Foi com emoção que li esta magnifica notícia!
O meu AMIGO é pai, tem nas suas mãos uma responsabilidade maior... com este novo ser enriqueceu o mundo e com o dom da paternidade pode, de uma forma nova, torna-lo melhor!
Senti a emoção de quem partilha da sua felicidade!
Felicidades e um grande abraço!

Fernando Mota disse...

A todos os que aqui se alegram com a minha alegria e àqueles que me têm feito sentir, por outros meios, a sua comunhão de felicidade o meu muito, muito obrigado.

Pcfc disse...

Tantas vezes nos interrogamos o que teria acontecido para que desaparecesse tão repentinamente, só não não imaginavamos que tinha acontecido Natal.

Um abraço e um beijo de imensa felicidade do Campos e da Assunção.

AVC disse...

Amigo Fernando,

Invejo-te no bom sentido, claro está!

A vida corre, e bem, mesmo muito bem. Nós vamos ficando mais velhotes e as crianças vão surgindo.

Já viste como tudo se completa?

Quando dizes que fizeste determinadas opções para "amar melhor" não podias estar mais certo. Corres o sério risco de ter uma vida verdadeiramente humana e rica. Provavelmente aí reside a centelha divina!

Um abraço do Alírio

Fernando Mota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando Mota disse...

À família Campos o meu muito obrigado por tudo. A vossa alegria comigo recorda-me tantas horas, e às vez até que horas, que partilhamos a vida e uma copo de vinho e um bom salpicão
com uma amizade desinteressada e sincera. Só lamento não vos poder dedicar um pouco mais de atenção. Muito obrigado

Ao Alírio só posso dizer uma coisa: belas palavras e sincera amizade. Sim a centelha divina está por aqui e isso jamais ninguém me poderá tirar. Um forte abraço agradecido.