segunda-feira, 26 de julho de 2010

Celebrei o Deus Amor

Ontem foi o baptizado da Mafalda. Foi emocionante estar deste lado com uma filha à porta da Igreja e escutar: "Mafalda é com muita alegria que a comunidade cristã te recebe. Em seu nome, eu te assiná-lo com o o sinal da cruz." Sentir que partilho com ela o maior tesouro que recebi, que cultivo e que tento preservar que é a minha fé vivida na comunhão da Igreja.
Foi uma alegria enorme celebrar este Deus que a ama muito antes que ela lhe possa corresponder.
É um impressivo e intenso sentimento olhar para a Mafalda e vê-la revestida de Cristo.
Celebramos o Deus Amor, celebramos a Igreja nossa mãe, celebramos tudo isso com os familiares de ontem e de hoje, com os amigos do passado e do presente que queremos trazer sempre no futuro. Ontem, tive presente os muitos com quem me cruzei ao longo da minha vida e todos eles farão parte da história que tenho para contar à minha filha.
Termino com algumas das palavras que ontem proferi no discurso da praxe, na nossa família:


(...)

À Mafalda não lhe peço que me realize, que me agradeça, que me siga, que me imite, que me ame. Apenas lhe peço que escute a bela história que lhe tenho para contar e de que todos vós fazeis parte. Na história que as nossas relações teceram ela encontrará todos os ingredientes para acreditar no homem, mesmo conhecendo todo o mal de que ele é capaz; para acreditar na vida, mesmo conhecendo todas as sua exigências; para acreditar no amor, mesmo conhecendo toda a morte que ele implica; para acreditar em Deus, mesmo experimentando as noites escuras da sua ausência que é presença.

(...)

Finalmente, naquela história, a Mafalda descortinará a mão, o sopro, a Palavra, o Amor, a Vida d’Aquele sem o qual nada poderia fazer. Sim gostaria muito, minha querida filha, que um dia descobrisses o tesouro que um dia, graças a todos estes que aqui estão e a muitos outros, o teu pai descobriu: Jesus. Amo-o como tento amar todos os dias a tua mãe, a minha mãe, a ti. Amo-o como acho que nunca amarei ninguém. Porque ele me ama como nunca ninguém me amará. Porque nele me entendo, me percebo, me encontro. Porque nele entendo a vida. Porque nele creio no Homem. Porque nele persevero na tribulação. Porque nele encontro alegria na esperança. Porque em ti vejo mais uma vez o seu amor por mim.

Vem Mafalda tenho uma bela história para te contar. Vem, vamos juntos – eu, a mãe e tu – continuar a escreve-la. Contamos convosco para a continuarmos a escrever.

2 comentários:

Maria disse...

Só tu para traduzires em palavras emocionadas e emocionantes, os sentimentos mais profundos e indizíveis...
Um beijinho amigo para ti e um beijinho duma irmã em Cristo para a Mafalda..

Fernando Mota disse...

Um beijo também para ti e muito obrigado pelas tuas palavras.